98 Telinha e seus gatinhos

no dia que eu me zangar
mato voce de carinho

Ze´ Limeira

31.10.09

fui ontem ao cinema com expe e gil - assistimos This is It, ou "o filme de michael jackson".

Expe definiu o filme como editado a toque de caixa para fazer dinheiro. é isso, mas é mais que isso. Mistura momentos de vergonha alheia com magia. mostra a delicadeza que ele tinha no trato com as pessoas (bem, podem ter editado chiliques, quem vai saber?). Magia é o nome do que o michael fazia, quando acertava. a versão de thriller é um desses momentos. o conhecimento total da música e do que queria, tanto sonora quanto visualmente, também é. ele era um músico das antigas. ele sabe a nota, o compasso, o movimento. ele sabia porque era exaustivamente perfeccionista. e eu misturo presente e passado neste post porque tá tudo misturado mesmo.

mas foi muita vergonha alheia a inserção dele em Gilda e em outros filmes clássicos no clip que faz a introdução para Smooth Criminal; o clipe que vem antes da música estilo "não destruam a amazônia que ela é nossa amiguinha" também foi. mas entendam: no fim, o cabra mostra que sabia muito bem o que estava fazendo e arrepia a gente, querendo ou não.

os dançarinos eram um contraste fortíssimo com ele, tão branco, tão magro, tão alienígena. eram homens fortes, sarados, saudáveis. tinha um loiro que fazia o perfil de dançarino da madonna, e não dele.

as mãos do michael me impressionaram. grandes e desproporcionais ao corpo, sempre se mexiam freneticamente, a ponto da câmera desfocar quando ele dançava.

"the way you make me feel", que é uma música sobre tesão, deu vontade de rir. entra a menina, toda rebolante e gostosinha, e michael devia reagir como o lobo nos desenhos de tex avery, lembram? o olho arregala, o queixo cai e o lobo uiva. Michael andando/dançando com a menina não transmitia nenhuma tensão sexual, nem de longe. e antes que vocês me digam "mas também, né?" eu digo que ele estava atuando e sim, podia encenar essa energia.

no fim, o que fica? seria o maior show da vida dele e, provavelmente, da de quem assistisse. ele sabia o que o público queria: diversão, entretenimento, fuga desta realidade para um outro mundo. sensações, arrepio na pele. fazer parte de algo maior e voltar para casa feliz.

e ele sabia, como ninguém mais neste mundo, como fazer isso. o rei morreu, vida longa ao rei do pop, michael jackson, primeiro e último.

3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Oi, li você, tá vendo? não posso comentar porque não assisti mas se ele não era do "meu" tempo pela idade ele foi e sempre será do "meu tempo" pelo prazer que seu gênio musical me proporcionou.
Telinha, não liga não, eu tenho é inveja de vocês pq não "captei" a maneira de usar o feice buk. Qdo aprender a escrever facebook com certeza tb estarei lá de verdade. Por enquanto sou uma sombra que ama vocês.
Beijos
M.Alice

3:52 PM

 
Blogger stella said...

Maria Alice, minha linda, você jamais será uma sombra :)
O facebook é uma brincadeirinha legal, mas não passa disso. a gente colhe na fazendinha, ordenha as vacas, brinca de plantar. no aquário a gente limpa o aquário e dá papá pros peixinhos e no cafe world a gente brinca de comidinha. é só isso, sabe? nada de mais, mas é gostoso de brincar.

um beijo, querida. essas últimas semanas valeram por três meses... foi amiga casando, afilhada nascendo, obturação de dente caindo... :p

5:17 PM

 
Blogger ila fox said...

Fiquei curiosa com o filme documentário, sempre gostei muito do Michael, pena que os últimos anos ele esteve tão fora da mídia.

Agora, uma cantora que está aí, na ativa, que apesar dos "escândalos" consegue se manter na mídia se renovando sempre é a Madonna. Gosto muito dela tbm!

7:58 PM

 

Postar um comentário

<< Home