98 Telinha e seus gatinhos

no dia que eu me zangar
mato voce de carinho

Ze´ Limeira

17.6.13

bão, quianças, aqui estão os meus vinte centavos sobre o que está acontecendo.

eu nasci em 70. cresci durante a ditadura. cresci, principalmente, aprendendo a não falar sobre a ditadura.

eu já enchi meu coração de esperança tantas vezes, e tantas vezes fui decepcionada. agora mesmo, neste instante, temos uma mulher na presidência que não está fazendo rigorosamente nada contra um projeto de lei que transforma mulheres em chocadeiras. temos uma mulher que apanhou e foi torturada e que se cala, se omite, se apequena diante de pessoas apanhando e sendo humilhadas em via pública. temos políticos que só estão esperando para ver de que lado a maré vai para surfarem a onda e tirarem vantagem. 


temos arnaldos jabores vomitando. temos vejas. e temos o feliciano, que continua lá.

atenção, meus joões de santo cristo, como diz na música, eles continuam querendo arranjar gente para botar bomba em banca de jornal e em colégio de criança. eles refundaram a arena. eles comemoram o aniversário da gloriosa. e vocês sabem quem eles são.

dentro de mim, uma esperança quer sair na rua, cantando que todos juntos somos fortes, somos flecha e somos arco, todos nós no mesmo barco, não há nada a temer. do meu lado há um amigo que preciso proteger.

do outro, sentada no meio fio, desiludida, de ruga e cabelo branco, a experiência me diz que quanto mais as coisas mudam, mais ficam as mesmas.

a experiência me diz que o político que apanhou ontem e que usou de nossa esperança para chegar ao poder vai fazer tudo para permanecer no poder. inclusive fechar os olhos para os que apanham agora. inclusive mandar bater. e que o político que usou nosso medo para chegar ao poder vai criar mais medo, mais terror, mais violência, para permanecer no poder.

eles são muitos. eles são fortes. eles mandam em quem bate. e a gente, minhas crianças, meus meninos, a gente tá na outra ponta do cassetete.

por favor, se protejam. tenham juízo. saibam lutar.

dessa vez não dá para deixar ninguém esquecer. guardem os nomes deles. guardem o nome do alkmin. guardem o nome do haddad. guardem o nome do sérgio cabral. guardem o nome do eduardo paes. porque todos eles, todos eles, todos eles, entendam bem, todos eles só querem o poder. só continuar no poder. e dilma, minha senhora, honre seu passado.

2 Comments:

Blogger Miih said...

Lindo!

2:59 PM

 
Blogger Em Nome dos Pais de Múltiplos said...

Nossa... uma das melhores coisas que li até hoje na minha vida: "qui estão os meus vinte centavos sobre o que está acontecendo"... Parece um raio-x de minhas ideias...
O blog de seu pai me trouxe até aqui.
Ah, nasci nos 70s tb, JK morria. Passei pelos demais movimentos e como vc, alguns cabelos brancos foram enxovalhados pelas coisas qu enão mudam em nosso BR... paz...luz...bj

12:43 PM

 

Postar um comentário

<< Home